• Negócios temáticos são interessantes alternativas estratégicas

    Finalmente os serviços temáticos estão se tornando mais frequentes nas cidades brasileiras. A adoção de um tema é uma das estratégias mais adequadas para garantir um posicionamento na mente das pessoas e assim, fazer com que o negócio seja sempre lembrado por um diferencial totalmente visível. No mercado americano, por exemplo, as concepções temáticas tem espaço garantido desde a década de 50, pelo menos. Com liberdade criativa, a ação temática deve ser estabelecida especialmente para direcionar uma segmentação de mercados, conforme mencionado por Kotler (1996, p. 234) “o ponto central do marketing estratégico moderno pode ser descrito como marketing SAP – segmentação, alvo e posicionamento.” Entretanto, tal conceito não é exatamente uma regra, podendo haver exceções, conforme características do negócio e perfil do target.

    Uma identidade e uma posição de marca bem planejada e, implementada corretamente, trazem uma série de vantagens à organização: (a) orientam e aperfeiçoam a estratégia de marca; (b) proporcionam opções de expansão da marca; (c) melhoram a memorização da marca; (d) dão significado e concentração para a organização; (e) geram uma vantagem competitiva; (f) ocupam uma posição sólida contra a concorrência; (g) dão propriedade sobre um símbolo de comunicação; (h) provêm eficiências em termos de custos de execução. AAKER (1996, p. 221)

    Mais comuns no varejo, os bares, lanchonetes e hoteis já possuem exemplos interessantes sob a ótica da utilização de temas que garantam um foco estratégico.  Alguns estabelecimentos criativos e já citados aqui no blog podem ser relembrados, como o Clinic Bar, Pantone Hotel e o Heart Attack Grill.

    Os temas podem ser relativos a assuntos diversos, relacionados ou não com os serviços oferecidos. Também é possível se especializar em determinado serviço/produto e, assim, focar estrategicamente nesta especialização. Além disso, o ideal é que o tema crie simpatia e atratividade ao público, além, é claro, de se tornar exclusivo.

    A seguir, seguem algumas dicas para estabelecer um raciocínio estratégico sobre um determinado tema.

    1. Para caracterizar o negócio temático, o tema deve estar presente por toda a empresa. Na verdade, a empresa deve “gira” em torno do tema escolhido;

    2. Uma vez estabelecido o tema, comunique. Negócios temáticos têm grandes chances de conseguir espaços gratuitos na mídia, para matérias jornalísticas. Aproveite essas oportunidades e dissemine a comunicação boca-a-boca;

    3. Cada ponto de contato – momento onde/quando o cliente tem contato com o serviço – deve estar norteado pelo tema. Exemplo, se o estabelecimento é uma lanchonete, o tema deve estar presente na instalação física, decoração, nas mesas, cardápio, banheiro, etc., ou seja, locais e momentos onde o cliente se relaciona com o negócio;

    4. A apresentação do tema deve fugir do óbvio, da mesmice.

    5. O conjunto tema/ambiente físico/processos deve ser fortes o suficiente para se tornarem uma atração turística na região o qual está inserido.

    Hamburgueria temática Guitar Burguer inaugurou segunda unidade em São Paulo, no mês de junho

    Related Posts with Thumbnails
    facebook twitter Google Buzz MySpace delicious

    Espalhe por ai:

    Comentários


    Não existe nenhum comentário, então seja o primeiro!

    Deixe seu comentário

    Os comentários podem ser moderados. Não são aceitas mensagens com conteúdo preconceituoso, discriminatório, ofensivo e com linguagem grosseira ou obscena. Também não são aceitas mensagens que caracterizem spam ou que estejam fora do contexto do blog.

    O blog não se responsabiliza pelos comentários efetuados por terceiros e se reserva o direito de, a qualquer tempo, retirar qualquer mensagem publicada.

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *


    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>