• Produtos bizarros #31 – Basquete fail

    O produto até pode incentivar a prática de esportes e constituir-se em uma saudável brincadeira, porém, a embalagem apresenta uma imagem que, além de grosseira e com possibilidade de ser mal interpretada, se torna desnecessária. Provavelmente a intenção tenha sido dar  “emoção” e movimento à imagem, entretanto, algo mais simples ficaria bem melhor.

    Espalhe por ai:
  • Produtos bizarros #26 – Touca cérebro

    O produto abaixo não deixa de ser criativo e original, entretanto, não é todo mundo que teria coragem de sair na rua usando uma ‘touca cérebro’ para aquecer do frio ou simplesmente estar na moda. Você usaria?

    A dica foi do Tiago do Nova Quahog.

    Confira toda a série ‘Produtos bizarros’ aqui.

    Espalhe por ai:
  • Produtos bizarros #25 – Escorregador elefante

    Como alguém pode ter bolado esse escorregador? Mais uma vez o péssimo gosto está a serviço da sociedade e o mais estranho ainda é admitir que as pessoas transitem normalmente sem se importar com um brinquedo como esse.

    Até podemos compreender que as crianças não possuem maldade em seus pensamentos, mas, francamente né! Facilmente poderia ter sido evitado tal constrangimento ao “pobre elefante”.

    Veja mais produtos estranhos.

    Espalhe por ai:
  • Produtos bizarros #24 – Fio dental sabor bacon

    Nem consigo imaginar o hálito puro e fresco após utilizar um fio dental sabor BACON. Isso mesmo! O produto bizarro desse mês é uma inusitada composição para um produto que, normalmente, está associado a frescor proporcionado por sabores como hortelâ, menta, cereja, dentre outros.

    Confira mais produtos da série ‘Produtos bizarros’ aqui.

    Espalhe por ai:
  • Produtos bizarros #23 – Tesoura mulher maravilha

    Não sei o que se passa na cabeça da pessoa que cria um produto assim. A tesourinha infantil é feia (repare o rosto da personagem) e de muito mau gosto, principalmente quando aberta. Bizarro! Convenhamos que há outras formas de se criar o mesmo produto aproveitando-se do licenciamento da marca da heroína e que o prazer estético deve ser privilegiado sempre.

    Mais “bizarrices” aqui.

    Espalhe por ai: