• 10 atitudes extraordinárias para 2018

    2018 está quase chegando e você já parou para pensar em como pode se tornar um profissional ainda melhor? Independente da sua capacidade técnica ou intelectual, que também pode ser aprimorada, listei 10 atitudes que farão de você um profissional ainda mais bem visto pelo mercado de trabalho. Vamos lá?!

    1. Assuma responsabilidades: quem não assume responsabilidades não é lembrado e nunca será visto como alguém confiável. Por isso, assuma responsabilidades, e as cumpra, claro!
    2. Seja esforçado: sabe aquela pessoa preguiçosa e relaxada? Não seja uma delas. O esforço é um dos pressupostos para as conquistas.
    3. Pontualidade: infelizmente em nosso país muitas pessoas tem o péssimo hábito da falta de pontualidade e essa atitude negativa é mal vista em vários países como um péssimo comportamento do brasileiro. Você não vai querer ser lembrado por um comportamento inadequado, não é mesmo? Seja pontual, e quando não for possível, avise com certa antecedência.
    4. Ética: a ética é assunto importante dentro de nossas vidas. Está relacionado com os valores morais e legais, ou seja, em fazer as coisas que sejam certas baseadas em um rol de crenças e também de acordo com a legislação. Procure sempre manter-se dentro da lei, até mesmo nos pequenos detalhes do dia a dia, evitando atos que caracterizam as pequenas corrupções diárias. Seja íntegro e ético 100%.
    5. Busque aprendizado: impossível ser o “sabichão” em tudo. Aprender também pode ser um exercício diário e prazeroso, e até existem pessoas que tem seus objetivos de vida baseados: aprender. Digo que o aprendizado mantém o cérebro ativo e a alma jovem.
    6. Fazer além do solicitado: entregar o “algo a mais” pode ser o diferencial que falta para você se tornar um profissional mais reconhecido. Surpreenda positivamente as pessoas!
    7. Ame: conforme o filósofo Platão, amor (Eros) é o desejo por aquilo que ainda não temos, ou seja, para Platão, o amor é a renovação do desejo, da falta de algo. No mundo corporativo seria a meta nova, os novos objetivos, etc.
    8. Seja proativo: a proatividade é a capacidade que temos de resolver problemas ou conflitos, antecipando a solução.
    9. Entusiasmo: qual o seu nível de entusiasmo com seus projeto hoje? Pense verdadeiramente e seja honesto sobre o quão entusiasmado está. A palavra, de origem grega (enthousiasmos), significa ter uma inspiração ou um “Deus dentro de si” que impulsiona suas ações.
    10. E por fim, aceite crítica e feedback: esta atitude está relacionada com a humildade e capacidade de ouvir e reconhecer os erros. Aceitar que temos limitações e que as críticas são formas de melhoria contínua é um exercício de humildade diário. Líderes servidores dão feedback e aceitam feedback. Pense nisso!

    Espalhe por ai:
  • Cebolinha empreendedor

    Difundir uma cultura empreendedora é fundamental para a conscientização de todos e, principalmente dos jovens. O Brasil é um país que possui grandes oportunidades para negócios inovadores, devido sobretudo ao tamanho dos mercados potenciais (pessoas com poder de consumo) e também a recente migração de parcela da população da classe D para C. Empreender é tornar projetos que ora estampavam sonhos, como planos de negócios realizáveis e concretos do ponto de vista de retorno financeiro e vantagens para toda uma comunidade envolvida.

    Evidente que, toda forma de comunicação da atitude empreendedora, ensino e/ou veiculação de qualidade é bem vinda e, ontem, tive a grata alegria de  ler a notícia de que o empresário Maurício de Souza (Estúdio Maurício de Souza)  em uma parceria de custos com a organização Confia, acaba de lançar o exemplar ‘Turma da Mônica em semeando sonhos Empreendedorismo’.

    A publicação fomenta o tema originalmente na nossa base educacional, ou seja, nas crianças, que, se amparadas por mediadores cuidadosos, pode despertar no pequeno jovem interesse e noções iniciais sobre o tema.

    Imagem: facebook.com/mspoficial

    A publicação será lançada com tiragem de 150 mil unidades e será distribuída gratuitamente para crianças da primeira a quarta séries,em escolas públicas. Na estorinha, o personagem Cebolinha dá dicas de criatividade e economia em uma linguagem acessível às crianças.  Leia mais.

    Espalhe por ai:
  • O ‘Corazón Loco’ de Iniesta

    Iniesta, um dos principais jogadores de futebol da seleção espanhola e do Barcelona, possui investimentos de mais de 9 milhões de Euros em uma vinícola, localizada em Fuentealbilla – cidade natal do craque – na região central da Espanha. A Bodega Iniesta possui capacidade produtiva em torno de 900 milhões de litros de vinho  – alimentados pelos mais de 100 hectares de vinhedos da família Iniesta – e são comercializadas nas marcas “Corazón Loco” e “Finca El Carril”.

    A iniciativa, além de gerar dividendos para a família  e bolso do atleta, também gera empregos e auxilia a movimentar uma economia espanhola um tanto dilacerada pela crise econômica que assombra a Europa há pelo menos quase 10 anos.  O foco das marcas de Iniesta está em um público mais jovem e admiradores de um vinho mais informal.

    Espalhe por ai:
  • Empresário anuncia projeto de construção de shopping center na cidade de Penápolis

    Apostando no mercado regional, o grupo Ferreira, do empresário Rafael Ferreira, anunciou no mês de julho a pretensão de investimentos de R$ 45 milhões na construção do Garden Shopping Penápolis, na cidade que leva o mesmo nome (Penápolis/SP). O projeto prevê 57 lojas, uma loja âncora, quatro semi-âncoras, duas salas de cinema, um boliche, praça de alimentação e estacionamento para 623 vagas, conforme reportagem publicada no jornal Folha da Região, de Araçatuba/SP.  A informação inicial é de que a área já está sendo terraplanada, para o início das obras.

    A tendência converge para o investimento em centros de compras no interior de São Paulo e fora dos grandes centros, como indica postagem publicada aqui. Atualmente existem 438 shopping centers em operação em todo o território brasileiro.

    Espalhe por ai:
  • A força do interior

    A força do interior. Crescimento interior x capital. Fonte: Nielsen Brasil

    Por @nielsenbr. Quando você pensa no morador das cidades do interior, o que te vem à mente? Se você pensa em um homem de calças curtas e camisa xadrez, chapéu de palha e mastigando um capim, seu pensamento está ultrapassado! O morador das cidades pequenas e médias não corresponde mais a esse estereótipo. Atualmente esse habitante tem impulsionado o varejo na região – que já ultrapassou o crescimento nas capitais.

    Um levantamento da Nielsen Brasil apurou que no último ano houve avanço de 13% no número de novos supermercados no interior paulista, diante da expansão de 8% na capital. Em Minas Gerais, a capital cresceu 10% nesse aspecto, enquanto no interior cresceu 36%. Nos estados do Rio de Janeiro e Paraná a tendência é a mesma.

    “Esse fenômeno já vinha ocorrendo, mas ficou mais evidente no ano passado”, afirma Mariana Andrade, analista de mercado da Nielsen Brasil. O desenvolvimento se deve especialmente ao crescimento demográfico das cidades. O processo de urbanização dessas regiões, que começou há mais de 50 anos, atraiu a população de cidades pequenas em busca de oportunidades. Portanto, grande parte desse crescimento se deve ao impacto da migração.

    Além do crescimento da população, o desenvolvimento da economia no interior do Brasil tem propiciado melhor distribuição de renda, o que gera a desconcentração do consumo.

    Vale ressaltar que esse crescimento não foi apenas no número de Autosserviços; 48% do crescimento em valor dessas lojas veio das cidades do interior, o que indica que os consumidores estão gastando mais e qualificando o seu consumo. Mariana conta que as categorias mais vendidas estão relacionadas à sofisticação, indulgência, praticidade e saudabilidade.

    Atentos a esse panorama, varejistas têm investido na abertura de lojas nas cidades pequenas e médias. “A indústria ainda tem grandes desafios relacionados à logística e ao entendimento do perfil do consumidor de cada região para entregar soluções compatíveis”, explica a analista.

    Além do varejo, outras atividades impulsionam diversas regiões: agronegócio, mineração e energia impulsionam algumas cidades e evidenciam a vocação do Brasil para commodities. A atividade industrial e tecnologia são outras atividades que impulsionam as cidades de Sorocaba, São José dos Campos, São José do Rio Preto e Londrina.

    Tudo isso mostra que o consumidor do interior também gosta, e agora pode, de consumir produtos de maior valor agregado e tem um estilo de vida cada vez mais parecido ao consumidor das grandes cidades.

    Fonte: Nielsen Brasil / Twitter: @nielsenbr

    Espalhe por ai: