• Marketing: arte ou ciência?

    Muita polêmica surge quando o assunto em questão é discutido. Mas, afinal, o Marketing é uma arte ou uma ciência?

    Marcos Cobra, em sua obra “Marketing Básico”, publicado pela Editora Atlas, apresenta argumentos que facilitam a opinião sobre o dilema acima. Primeiramente é importante diferenciar “ciência pura” de “ciência aplicada”. As ciências puras são as chamadas “fundamentais”, ou as que descrevem conhecimentos básicos sobre as coisas, sendo demonstradas a partir de experimentos. As “ciências aplicadas“ tratam da utilização dos conhecimentos em aplicações práticas para o ser humano. As ciências em geral são conjuntos de conhecimento e práticas sistemáticas.

    O Dicionário Larousse Cultural conceitua ciência como “Conhecimento, arte, habilidade. Conjunto organizado de conhecimentos relativo à determinada área do saber, caracterizado por metodologia específica. Conhecimento que se obtém através de leituras, de estudos; instrução, erudição. Conhecimento prático para uma dada finalidade”.

    Já o dicionário Aurélio define: Ciência [Do lat. scientia.] Conhecimento. Saber que se adquire pela leitura e meditação; instrução, erudição, sabedoria. Conjunto organizado de conhecimentos relativos a um determinado objeto, especialmente os obtidos mediante a observação, a experiência dos fatos e um método próprio. Soma de conhecimentos práticos que servem a um determinado fim.

    Ciência é, em resumo, conforme (BUZZELL, apud, COBRA, 1997, P. 26) “um conjunto classificado e sistematizado de conhecimentos… organizado através de uma ou mais teorias centrais e um número de princípios gerais… usualmente expresso em termos quantitativos… conhecimentos que permitem a predição e, sob certas circunstâncias, o controle de eventos futuros.” Assim sendo, Buzzell afirma que o marketing possui requisitos centrais para ser classificado como ciência, portanto, Marketing é uma ciência. Nesta mesma assertiva, Yanaze ( 2007) afirma que ”Marketing é um conjunto de conhecimentos exaustivos, racionais, precisos e coordenados, que tem teoria própria e usa não só a observação, mas também a experimentação, para comprovar suas hipóteses – o que o assemelha às ciências exatas”.

    Entretanto, como disse no início do post, o tema é polêmico. Alguns autores não entendem o marketing como uma ciência, por exemplo, Kenneth D. Hutchinson (Cobra, 1997) afirma que o marketing desenvolveu-se como um conjunto único de teoria e que ele é uma arte ou uma prática, não sendo necessariamente, uma ciência.

    Em minha opinião, o conceito do marketing é bem amplo e inclui fenômenos micro-ambientais e macro-ambientais que podem ser observados e experimentados, que caracterizam o entendimento do mesmo como uma ciência.

    E você, o que pensa a respeito?

    Espalhe por ai: