• Os sinais como elementos de uma mensagem

    A comunicação é realmente uma capacidade fantástica do ser humano, que se manifesta na forma verbal e não verbal. O ser humano, ao estabelecer suas interações, estabelece uma grande quantidade de códigos que são armazenados e organizados em processos temporais (passado, presente e futuro). Os códigos são conjuntos de sinais / signos que, após decodificados, devem  ser compreendidos pelos interlocutores. Alguns exemplos de conjuntos organizados de códigos são as palavras/alfabeto, código morse, sinais de trânsito (Santaella, 1995) e etc. Os códigos são essenciais para a inserção de seres humanos no convívio social e na troca de informações. Abaixo, um belíssimo conjunto de sinais para a comunicação entre indivíduos com disfunção da fala e audição.

    alfabetolibras

    E, como complemento, assista o clipe da música ‘Losing my Religion’ da banda R.E.M com legendas traduzidas em português e tradução para linguagem Língua Brasileira de Sinais(LIBRAS) feita pela empresa Linha Verde Interativa.

    Linha Verde Interativa – Música em Libras Losing my Religion (RME) from Linha Verde Interativa on Vimeo.




    Links úteis:

    http://www.cbsurdos.org.br/libras.htm
    http://www.libras.info/
    http://www.linhaverdeinterativa.com.br/
    – http://www.surdo.org.br/

    Espalhe por ai:
  • Politweets – O twitter na política brasileira

    Uma dica bacana, dada pelo @gabrieleite, é o site Politweets. O site é uma criação da empresa Eztiva e disponibiliza ambiente de fácil navegação para interação entre políticos e usuários. Já há vários políticos cadastrados e é possível acompanhar em tempo real as intenções de votos dos tuiteiros e é um exemplo interessante de comunicação social política, mediada pela internet e uma rede social.

    politweets-o-twitter-na-politica-brasileira_1280546295122-copia#ficaadica

    Espalhe por ai:
  • A Revolução da Informação

    Não é nenhuma constatação bombástica que a nova revolução em curso é a revolução da informação. O ser humano vive um momento de multiplicação de formas e de velocidade midiática nunca visto anteriormente. Os produtos dirigidos para usabilidade neste segmento tornam-se obsoletos em no máximo seis meses.  Peter Drucker afirmou, em meados do ano 2000, que “emergência explosiva da Internet como importante (e, talvez, com o tempo, o mais importante) canal mundial de distribuição de bens, serviços e, surpreendentemente, empregos na área administrativa e gerencial”.

    O período de comunicação unilateral, ou seja, realizada única e exclusivamente por um emissor para o(s) receptores sem feedback instantâneo, ficou para trás. Neste momento a comunicação é caótica e a retroatividade também difusa. Impressionante como, cada vez mais, os jovens se utilizam de vários meio ao mesmo tempo e, como diz Luli Radfahrer “um jovem hoje assiste tv, passeia por multicanais, ouve música, acessa internet tudo ao mesmo tempo e  quando um amigo(a) pergunta no celular o que ele está fazendo, a resposta é: nada“.

    Mais incrível ainda é, como dito acima, a velocidade que esta geração absorve as mudanças, por exemplo: em 2006 o Google contabilizou uma média de 2,7 milhões de pesquisas/mês e em 2009 este número saltou para mais de 31 bilhões de consultas/mês.

    Faça abaixo um teste simples, coloque seu nome e na caixa de consulta e verifique a quantidade de informações como resultado.


    Concluindo, esta revolução não tem mais retorno e, cabe aos seres humanos e empresas adaptarem seus recursos para que compreendam em tempo real o que acontece a sua volta e as atentem-se às mudanças dos comportamentos, cultura e métodos a partir da proliferação dos mecanismos multimídias e do avanço da internet. Aos usuários, acompanhar e ter capacidade crítica de debater sobre as melhorias e necessidades para sua vida e como as interfências moldam os valores inseridos na sociedade.

    Como “cenas do próximo capítulo, seguem dois vídeos com convergências midiáticas que logo logo estarão mais presente entre nós:



    Espalhe por ai:
  • Brisa do mar e clima da montanha

    As vezes os anúncios publicitários passam dos limites, sejam em textos mal elaborados ou com construção estética (design gráfico) sem os mínimos fundamentos.  Bem, o anúncio abaixo (vale uma ressalva na crítica pois trata-se de criação e veiculação da década de 60, mas é eficiente para fins didáticos) possui desorganização estética e excesso de informações e a promessa de “brisa do mar e clima da montanha ao alcance de seus dedos”. Ual!

    admiral

    Espalhe por ai:
  • Menos é mais #1

    fedex2010canneslionswinners

    fedex2010canneslionswinners1

    Quando a agência de publicidade consegue entender a essência vital do cliente e sua Unique Selling Proposition – USP, o resultado é uma produção primorosa que comunga com a característica “menos é mais”, do qual aprecio muito. No caso acima, a premiada campanha em Cannes2010 propaga, sem a necessidade de maiores explicações, a capacidade do cliente em entregas rápidas pelo mundo.  Belo trabalho de Direção de Arte!

    Leia também

    :: Menos é mais

    Espalhe por ai: