• Vends machines Coca-Cola

    Populares em países como EUA e Japão desde a década de 50, as vends machines são exemplos de “tecnologia dura”, conforme Theodore Levitt(1969). Para Levitt, tecnologia dura é o termo adequado para a utilização de máquinas em substituição de seres humanos durante prestação de serviços. Hoje há vários exemplos de tecnologia dura espalhadas pelo nosso cotidiano: caixas eletrônicos, self checkouts e muitas vends machines. Confira abaixo vários modelos de vends machines da Coca-Cola.

    Leia também

    :: Coca-Cola e a Copa 2010
    :: Coca-Cola e o cofre secreto
    :: Realidade aumentada na embalagem da Sprite 2.zero

    Espalhe por ai:
  • Dia do Consumidor

    O dia 15 de março (neste dia e mês, no ano de 1962, o então presidente americano John Kennedy pronunciou um discurso onde defendeu os Direitos dos Consumidores) é reservado mundialmente para a lembrança das conquistas dos direitos dos consumidores, através das relações comerciais ocasionadas de trocas financonsumidor1ceiras por produtos e/ou serviços que satisfaçam necessidades das pessoas. Em nosso país “a defesa do consumidor” está assegurada no inciso XXXII, art. 5º, da Constituição Federal de 1988.

    Cabe a todos, na luta por uma sociedade justa, cobrar e reinvidicar seus direitos assegurados. Também é importante que todos os profissionais e empresários envolvidos na relação com o consumo conheçam e apliquem os detalhamentos contidos no Código de Proteção e Defesa do Consumidor, editado no Brasil em 1990 – Lei nrº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Clique no link a seguir e conheça o Código na íntegra:

    > CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

    Importante ressaltar que várias entidades atuam na Defesa dos Direitos dos Consumidores no Estado de São Paulo, dentre elas: Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor – PROCON; Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor – IDEC; Associação Brasileira da Defesa da Ecologia, da Cidadania e do Consumidor – ABRADEC; Associação de Defesa dos Interesses e Direitos do Consumidor e do Cidadão – ADIC e Instituto Brasileiro de Política e Direito do Consumidor – BRASILCON.

    Alguns links úteis:

    www.portaldoconsumidor.gov.br
    http://www2.senado.gov.br/bdsf/item/id/70329
    http://www.procon.sp.gov.br/ –  Disk Procon: 151

    Espalhe por ai:
  • Vitrine interativa

    A vitrine de um varejo com loja é um ponto nobre do estabelecimento, ou seja, funciona como uma intensiva promoção de vendas permanente onde o espaço deve ser otimizado para despertar a atenção e interesse do consumidor. Na vitrine é possível divulgar lançamentos, parcerias, promoções, coleções, famílias de produtos e comunicação em textos, imagens vídeos. Além disso, dois  itens são fundamentais: a localização do varejo (ponto) em área aberta ou fechada com bom fluxo do target e o posicionamento físico da vitrine.  Recomendo também a alteração frequente da organização da vitrine, de modo a criar sistemática de curiosidade aos transeuntes.

    Abaixo, um interessante exemplo de vitrine e fachada de pdv com utilização da tecnologia LED.

    Via Varal

    Espalhe por ai:
  • Os serviços

    Apesar de alguns especialistas e governantes dizerem que em 2016 o Brasil estará no mesmo patamar dos ditos países de primeiro mundo, ainda temos muito o que melhorar, mas muito mesmo, principalmente em serviços. Serviços são atos ou desempenhos intangíveis que até podem envolver o uso de produtos materiais e representam 72% da economia dos EUA por exemplo, de acordo com o Banco Mundial. Os serviços podem ser individuais e coletivos. A maioria dos serviços coletivos de necessidades básicas (saúde, educação e segurança) são geridos e oferecidos pelo governos, ou seja, com total responsabilidade do Estado.

    Apenas para ilustrar um serviço básico de transporte, segue vídeo com o trem Francilien inaugurado no mês de dezembro, na França.

    Via Nyt e IledeFrance

    Leia também

    Espalhe por ai:
  • Estratégia ofensiva

    Provavelmente você está acompanhando o “recall” dos veículos Corolla, Camry, Matrix, Avalon, Tundra, Sequoia, Venza, Prius, Lexus, Tacoma, e Highlander da marca Toyota.  “Recall” é uma chamada/convocação para que proprietários de produtos retornem os mesmos até postos autorizados para averiguação ou troca de componente em falha detectada pelo fabricante em grande quantidade de lotes. No caso específico da Toyota, a falha detectada está no pedal do acelerador que, por motivos ainda desconhecidos — de acordo com a Toyota — afetam o tempo de retorno do acelerador à posição zero. Além do recall, a companhia japonesa está com produção e venda suspensa (ainda, conforme a empresa, atualmente 2,3 milhões de automóveis podem ser acometidos pelo problema, mas o número total pode chegar a 8 milhões  (Fonte: egmCarTech e Veja — obs.: as unidades produzidas no Brasil estão livres desta falha). Confira aqui os modelos convocados para recall.

    Bem, mas não é este fato em específico que vou abordar. Quero comentar sobre a técnica da estratégia ofensiva, que se resume em descobrir uma fraqueza na força do concorrente. Entendeu? Determine as maiores forças de seu principal concorrente e descubra fraquezas determinantes nesta(s) forças. Repare que isso requer desenvolver a inteligência de marketing. A partir do momento que você determinou essa fraqueza em uma das forças do líder ou concorrente, ataque! Mas, como atacar? Aqui está mais um detalhe importante desta técnica, ou seja, sua empresa, produto ou marca deve desenvolver uma força concreta que acentue a fraqueza do concorrente e utilizar promoção de vendas e comunicação com mensagem (argumento lógico) que remeta uma força à você, conforme a fraqueza do outro. Compreendeu?

    Mas porque citei o ocorrido com a Toyota? Acontece que a falha e demora em solucionar o problema técnico abriu uma grande fraqueza na maior força que o produto possui: durabilidade(confiança) e quebra da ideia mercadológica de valor por conta do preço baixo de venda(nos Estados Unidos um Corolla zero km com vários acessórios é vendo por USD 18.000, por exemplo).

    Desta forma, algumas montadoras concorrentes estão utilizando a estratégica ofensiva, oferecendo condições especiais para troca do Toyota por suas marcas. A Hyundai, Chrysler, Ford e GM estão promovendo incentivos de USD 1.000 (Um mil dólares) para troca.

    gmxtoyota-recall

    Notas de rodapé: *Os clientes qualificados que estão financiando a compra de veículo podem receber financiamento de 0 por cento para até 60 meses. *Os compradores receberão 1.000 dólares.

    Espalhe por ai: