• Pop Up Store da Adidas

    O conceito Pop Up Store diz respeito ao tipo de loja que surge em algum local, repentinamente, e tem sua permanência temporária. No ano passado, a Adidas lançou sua Pop Up Store em várias cidades da Europa e até mesmo na Argentina. O ponto de venda, feito em formato de caixa de tênis, possuía design inovador e grande poder de despertar a atenção das pessoas. Show!

    Espalhe por ai:
  • O futuro já chegou. Sua empresa está preparada?

    *Por Olegário Araujo – diretor de atendimento ao varejo da Nielsen.

    O Brasil vem passando por profundas transformações demográficas, socioeconômicas e tecnológicas que, consequentemente, fizeram emergir novas necessidades, desejos e aspirações que estavam latentes. E hoje, essas mudanças têm impacto direto com as expectativas e comportamentos de compra/consumo do shopper/consumidor. Além disso, estão diretamente relacionadas com as quatro forças elementares que são Praticidade, Faz Bem, Sofisticação e Indulgência.

    O consumidor/shopper, que emerge dessa transformação, é multicanal, multimídia e possui múltiplas experiências de compra. Ele está mais informado, mais exigente e com menos tempo. E neste cenário, as drogarias, em especial as redes, estão conseguindo atender este novo consumidor, já que o canal cresceu três vezes mais que todos os demais, na comparação de 2011 com 2010.

    Nas drogarias, o consumidor encontrou a praticidade e conveniência, pois é um local associado ao bem estar e cuidados pessoais. E ainda tem no sortimento produtos de alto valor agregado e o permite se presentear com produtos diferenciados.

    Um ambiente mais complexo e incerto

    Como o consumidor muda seus hábitos de compra, consequentemente o ambiente competitivo do varejo, a economia e tecnologia também passam por transformações que impactarão o negócio de forma mais intensa e em alta velocidade. Em suma, operar o negócio ficará mais complexo, mais competitivo e com impacto direto na rentabilidade.

    Este cenário exigirá um bom planejamento que integre estratégia, pessoas e operação de maneira simples e que ao mesmo tempo permita ajustes rápidos na execução. Para atuar neste contexto, surge a necessidade de se fazer cinco perguntas essenciais (desenvolvidas por Peter F. Drucker):

    1. Qual é a nossa missão?

    2. Quem é nosso cliente?

    3. O que o cliente valoriza?

    4. Quais são nossos resultados?

    5. Qual é o nosso plano?

    A necessidade de uma visão holística

    Neste processo de revisão do negócio, a análise não deve ficar restrita a concorrência entre as drogarias. É preciso ter uma visão do consumidor/shopper em suas diferentes ocasiões de compra. Aliás, para o consumidor, o que menos importa é o canal, mas sim o ponto de venda que atenda as suas necessidades, desejos e aspirações. Vai ser o lugar que lhe proporcionar, levando em conta a sua missão de compra, a melhor experiência.

    Cabe reforçar que este consumidor compra a mesma categoria em canais diferentes (supermercados, drogarias, lojas de perfumaria, porta-a- porta, atacarejo, internet), o que lhe proporciona diferentes experiências de compra. Portanto, entendê-lo dentro de uma visão holística, permitirá definir melhor o público alvo de sua loja e/ou diferentes formatos de loja e desta forma se diferenciar neste ambiente competitivo.

    Fonte: Nielsen Brasil / Twitter: @nielsenbr

    Espalhe por ai:
  • Os olhos do marketing sobre fatores que influenciam os consumidores

    A Nielsen divulgou há poucas semanas o estudo “Fatores que influenciam a decisão de compra”, na qual revela o comportamento dos consumidores em relação a preço, qualidade, saúde/bem-estar, entre outros pontos que são decisivos na hora de comprar.

    Sendo assim, sublinhamos esses fatores que mais norteiam as pessoas ao adquirir um produto e conversamos com a gerente de atendimento ao varejo da Nielsen Brasil, Lenita Mattar. Na entrevista, estratégias e soluções foram direcionadas para que, tanto o varejo quanto a indústria, conheça o comportamento do consumidor e saiba tirar bom proveito disso tudo.

    Como a preocupação com o preço é o fato mais impactante, como é possível as empresas manterem a qualidade dos produtos e ainda um preço que seja aceito pelos consumidores?

    A tecnologia e melhores mecanismos produtivos minimizam as barreiras de entrada e permitem que os fornecedores possuam equilíbrio de qualidade entre os produtos oferecidos no mercado. O maior número de players atuando em um mercado, no entanto, torna a competitividade de preços mais acirrada. Fornecedores ganhadores serão aqueles que compreenderem a necessidade de seus consumidores, promoverem inovações que respondam aos seus anseios e necessidades e uma comunicação clara com seus públicos-alvo.

    Na América Latina, questões de saúde e bem-estar são também algumas das principais exigências dos consumidores. De que forma a indústria e o varejo podem aproveitar essa oportunidade?

    Há muita oportunidade de inovação nesse sentido e é importante ter em conta que é preciso comunicar os benefícios dos produtos para o consumidor, ensiná-lo sobre as novas funcionalidades que são propostas. Por exemplo, quando houve o lançamento do iogurte funcional, o consumidor ainda não estava familiarizado com essa propriedade na categoria e foi necessário estabelecer campanhas publicitárias explicando o benefício, o que fez com que surgisse um novo segmento promissor em Iogurtes. Essa função está muito mais nas mãos da indústria.

    O varejo, por sua vez, deve acompanhar as tendências e os produtos de sucesso, planejando o desenvolvimento das categorias de produtos e garantindo a disponibilidade dos produtos de sucesso em suas lojas.

    Com a ascensão da classe média, mais pessoas estão podendo consumir mais tipos de produtos. E o fator disponibilidade influencia e muito na decisão de compra. O que o varejista deve fazer para evitar frustrações da parte do consumidor? Qual é a melhor forma de evitar a falta de produtos na gôndola ou no estoque?

    Para isso é necessário um acompanhamento contínuo do mercado e um planejamento do desenvolvimento do seu sortimento sob essa ótica. Processos de otimização e acompanhamento do abastecimento em uma perspectiva preventiva em relação à ruptura, fazem a diferença para minimizar perdas para todos – para o varejo, para a indústria e, sobretudo, para a satisfação do consumidor.

    Fonte: Nielsen Brasil / Twitter: @nielsenbr

    Espalhe por ai:
  • A tecnologia que dita um novo jeito de comprar

    Olegário Araújo para a Abep. Na história da humanidade, a tecnologia sempre foi a alavanca que proporcionou profundas mudanças. Foi assim com o fogo, agricultura, roda, imprensa, computador pessoal, internet, celular e redes sociais.

    A tecnologia transforma as experiências de compra, muda de patamar as expectativas do consumidor/shopper e, consequentemente, transforma a gestão das empresas, demandando uma revisão, em intervalos mais curtos, de posicionamento mercadológico, estruturas, recursos, perfil das equipes e tantos outros aspectos.

    “Ela coloca à disposição do varejo/empresas de pesquisa, em alta velocidade, dados muito mais granulares, em intervalos de tempo mais curtos e que precisam ser consolidados para a identificação de padrões/segmentos para que decisões estratégicas sejam tomadas com maior rapidez.”, diz o diretor de atendimento ao varejo da Nielsen Brasil, Olegário Araújo.

    Entender o posicionamento mercadológico do varejista e tratar os dados de forma a gerar insights úteis para apoiar o processo de tomada de decisão são os grandes desafios. Estamos diante de um consumidor/shopper mais exigente, que quer ser tratado de uma forma diferenciada, com múltiplas experiências de compra, com mais opções e, sobretudo, bem informado.  No varejo, esse desafio se traduz em, com o suporte das empresas de pesquisa, compreender as necessidades e desejos do consumidor, seus hábitos de compra e transformar este conhecimento em estratégia a fim de garantir a sua execução.

    A tecnologia gera um grande volume de dados em alta velocidade, mas isto não é suficiente para tomar decisões.  A tecnologia e os dados são um meio, mas não um fim. Com a clareza de sua missão, valores, público alvo, estratégia e resultados a serem alcançados, a tecnologia é a alavanca para promover essa transformação nas empresas, em especial no varejo.

    Espalhe por ai:
  • O cliente multicanal

    Por @nielsenbr. Onde você compra xampu? E os ingredientes para um jantar especial? As compras do mês, você faz no hipermercado? Ou, para economizar, prefere o ‘atacarejo’? As opções de canais de compra são muitas, e o consumidor não precisa escolher uma só, pelo contrário. Por essa razão que atualmente o consumidor é considerado multicanal.

    O desenvolvimento econômico e social vivenciado nos últimos anos gerou grandes transformações nos hábitos de compra do brasileiro. A estabilidade da inflação fez com que o consumidor deixasse de depender das “compras do mês” e, dessa forma, hoje pode comprar produtos à medida que necessita deles, em qualquer canal de venda.

    Forças relacionadas ao contexto do consumidor, como a ascensão social, a urbanização e o papel da mulher na sociedade e no mercado de trabalho, incentivaram as mudanças no comportamento dos compradores. As transformações geradas por esses fatores abriram espaço para o desenvolvimento e fortalecimento de outros formatos de lojas no país. Por exemplo, as vendas no Canal Farma cresceram 315 pontos no último ano, enquanto os autosserviços, com mais de cinco check-outs, cresceram 125, segundo levantamentos da Nielsen Brasil.

    De acordo com Lenita Vargas, gerente de atendimento ao varejo na Nielsen Brasil, os fatores relacionados à vida urbana e às mulheres que cumprem jornada de trabalho e cuidam do lar, modificaram intensamente as necessidades dos consumidores. “Eles valorizam atributos como conveniência e praticidade, devido à falta de tempo no cotidiano”, afirma.

    Com isso, os supermercados de bairro começam a ganhar relevância, por ter a conveniência de estar próximo de casa. “Nesses canais é possível tanto repor um produto de necessidade básica, quanto encontrar ingredientes especiais para um almoço de domingo”, explica Lenita.

    O maior poder de compra, dado pela ascensão social e aumento do poder aquisitivo, também conferiu aos brasileiros um melhor aproveitamento das propostas de diferentes formatos de lojas. É o caso do atacarejo, expressão utilizada para lojas de atacado que o consumidor comum, do varejo, está freqüentando. Nesse canal é possível comprar em maior quantidade, pagando menos.

    Para os varejistas, a maior mudança é a concorrência, que deixa de ser entre os mesmos formatos de lojas e passa a ser entre todos os canais de vendas. Para sair na frente nessa competição diversificada, é preciso conhecer o seu consumidor e suas diferentes missões de compra. “Com isso, o varejista deve definir e comunicar, claramente, qual é a sua proposta de diferenciação, frente aos concorrentes, e quais necessidades do consumidor serão atendidas nessa loja”, sugere Lenita.

    Fonte: Nielsen Brasil / Twitter: @nielsenbr

    Espalhe por ai: