• O branding da Starbucks

    A Gestão de Marcas é uma das áreas do Marketing e também é foco de estudo no curso Bacharelado em Marketing da Unilins. Nesta matéria, você aprende a criar marcas e desenvolver estratégias relacionadas ao Branding, na prática!

    A importância de uma boa gestão de marcas é tão grande que hoje há muitas oportunidades para profissionais que fazem este trabalho. Como exemplo de Branding muito bem feito, podemos citar a marca Starbucks Brasil. Alguém tem dúvidas do belo trabalho que eles fazem? Eu não tenho! São vários aspectos planejados e utilizados por eles para a construção de uma identidade de marca bem sólida:

    • Logotipia com conceito forte;
    • Entrega valor aos clientes (dá sensação de que vale mais do que custa);
    • Está no coração das pessoas;
    • Você tem a percepção de que lá os produtos são melhores que em outros lugares;
    • Ambiente agradável;
    • As pessoas querem socializar que estão lá;
    • A marca desperta admiração.

    Fonte da imagem: Adaptado de https://www.vallartadaily.com/…/uplo…/2017/09/starbucks.jpeg

    Espalhe por ai:
  • Mkt de Conteúdo e Mídias Sociais

    CURSO_MKT

    As redes sociais necessitam estar atualizadas, gerando interação com o seu consumidor. Uma rede que não está em funcionamento, além de transparecer desleixo, torna a comunicação ineficaz na rede.

    Quanto mais o usuário interagir com o conteúdo da marca, mais exposição ela tem e, como resultado, mais potencial terá de crescimento. Portanto, para isso acontecer é preciso ter uma frequente atualização e um conteúdo atraente para o público.

    Mostrar como criar conteúdos disruptivos e que gerem engajamento nas redes sociais é o objetivo do curso com André Telles e Marcel Bely, que será realizado nos dias 05 e 06 de junho, no curso Grandes Mestres, no Centro de Salvador. André Telles é publicitário e especialista no tema Inovação, Marketing e Empreendedorismo de Impacto. Professor de Pós-Graduações e MBA`s na área de Marketing Digital e Empreendedorismo Digital (FAE – PUC-PR e Católica-SC). Co-Fundador da agência digital Mentes Digitais. Mentor e sócio de startups de base tecnológica, como a Fleety, vencedora do desfio SENAI, Plug’n Play e Startup Brasil. Co-Fundador do iCities – Smart Cities Solutions; evento e projeto para cidades inteligentes, onde gere um Centro de Inovação no IBQP – Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade. Marcel Bely é Formado em publicidade e propaganda com pós graduação em markerting. Atuou em várias agências de comunicação, tendo se destacado na Agência Casa, como Content Manager de marcas como Royal, Sundown, Unimed e monitoramento para Ford. Teve o segundo melhor emprego do mundo pela Trident para gerar conteúdo para os canais digitais da marca viajando toda a costa brasileira. Atuou também na Prefeitura de Curitiba gerenciando o perfil oficial da cidade no Facebook.

    O curso é voltado para todos os profissionais que gerenciam perfis de empresas, agências digitais e de publicidade e estudantes de comunicação e marketing. Durante as aulas, os participantes vão aprender sobre os conceitos de Redes Sociais, como utilizar os números a favor de suas postagens, como criar um plano editorial e categorizá-lo e poderá fazer um trabalho prático em grupo desenvolvido durante o curso. Cada participante terá direito, nos dias das aulas, a tomada para o conectar o notebook ou tablet pessoal e a certificado de 10 horas. As vagas são limitadas.

    Para conhecer todo o conteúdo programático e fazer sua inscrição basta clicar no link (https://credencial.imasters.com.br/marketing-de-conteudo-em-midias-digitais)

     

    Espalhe por ai:
  • Marcas, um mundo em movimento

    “As marcas são construções culturais extremamente dinâmicas” e assumem cada vez mais um papel decisivo no posicionamento competitivo, pois são as responsáveis direta pela associação positiva (ou negativa) dos indivíduos com as empresas e seus produtos. Além disso, as marcas se tornam elementos de personalização e assumem função arquetípica, a partir da projeção do inconsciente coletivo (Teoria de Jung). Elcio Fernando.

    A partir da criação do diretor da empresa, Levi Carneiro, que é também associado ao Grupo Troiano de Branding, foi feito o vídeo ‘Marcas, um mundo em movimento’  que aborda a evolução das marcas, seus movimentos no tempo e no espaço, o branding na era digital: entre a busca de sentido e a necessidade de conexão, e as marcas como construção cultural para criação e geração de valor. Uma visão dinâmica e abrangente.


    Ficha Técnica 
    Criação: Levi Carneiro
    Design: Anna Paola
    Realização: Ideia Comunicação
    Produção: Tutano

    Espalhe por ai:
  • Comitê Olímpico lança pictogramas para Rio 2016

    Lançado no dia 07 deste mês, o conjunto de pictogramas (a palavra pictograma vem do grego e do latim. Na sua origem, significa “palavra pintada”) oficiais criados para as Olimpíadas do Rio de Janeiro (2016) é o mais completo trabalho de comunicação gráfica já feita para uma olimpíada, na história dos jogos. Ao todo, são 64 desenhos, sendo 41 referentes as modalidades olímpicas e 23 paraolímpicas. A criação – de excelente bom gosto e que levou 16 meses para ser concluído – foi da empresa Dalton Maag com a supervisão do Comitê Olímpico Rio 2016.

    Pictogramas das modalidade olímpicas

     

    Pictogramas das modalidades Paralímpicas

    Espalhe por ai:
  • Zonas de Oportunidades: espaços para sua marca crescer

    Fico feliz de ver como o branding entrou no gosto popular. Desde pequenos negócios até grandes corporações entenderam que a promessa de marca é hoje o principal norte para a empresa. E o engraçado é a quantidade de variações que surgiram deste tema: endobranding, branding pessoal, branding para não-consumidores, etc.

    Porém eu quero demonstrar um pouco do meu ponto-de-vista, onde acredito que não dá para pensar em estratégias diferentes para cada público da empresa. Se ignorarmos que estes públicos se interagem e, através da troca de suas experiências, definem o real valor da marca, não construiremos um branding sólido, com valores bem definidos.

    Vamos adotar uma visão clara, com base em 3 públicos de interesse:

    1. Colaboradores: ah…. os esquecidos colaboradores. Como é difícil para o depto de marketing entender que eles não são de responsabilidade total do RH. O preparo deles e a maneira como eles interagem com os outros dois públicos são cruciais para transparecer os valores da marca. Outro detalhe: eles são os primeiros a utilizar ou indicar os produtos e serviços da empresa, por isto a sua importância.
    2. Clientes: não são tããão complicados como pensamos. Eles sempre irão colocar a marca no centro de uma balança, onde irão ponderar a respeito das promessas e o que está sendo entregue. Simples assim. E complicado assim. Desenvolver um relacionamento sólido, nas alegrias e nas tristezas, é a melhor maneira de identificar o contrapeso desta balança chamada marca.
    3. Prospects: eles já estão de olho na sua marca, principalmente na relação entre os clientes e os colaboradores. Seu julgamento, se irão ou não escolher pela sua marca, será baseado em 2 pontos: o resultado da interação entre cliente e colaboradores e na sua própria experiência de compra, onde eles interagem com os colaboradores.

    Então percebemos como a marca está no centro destes 3 públicos, pois os colaboradores interagem com clientes e prospects assim como os clientes conversam com estes prospects para mostrar sua experiência com a marca. Em qualquer situação é assim, seja para commodities até produtos de luxo.

    Agora que conseguimos entender melhor esta interação entre colaboradores, clientes e prospects, entendemos como podemos criar as Zonas de Oportunidades. Estas interações entre os públicos definem a percepção da marca, pois nestas situações que ocorrem as experiências da marca e a sua real percepção. Não é a empresa que defineas características de sua marca (se ela é moderna e inovadora, por exemplo) e sim o resultado destas experiências.

    E é possível definir este resultado? Se houver compreensão destes fatores, bem como um planejamento baseado na percepção das expectativas destes públicos, é possível sim. Requer esforço e é, de fato mais, eficiente e rentável, pois seus investimentos estarão mais focados com a real percepção de marca.

    Então. Qual o resultado que você espera da sua marca?

    Luiz Henrique Gagliardi, publicitário e sócio da AmittiBrasil| Gestão de Marcas, uma agência de gestão de marcas (www.amittibrasil.com.br). Twitter: @luiz_henriqueg

    Espalhe por ai: