• O Marketing e a Administração Clássica

    Frederick Taylor

    Alguns problemas de marketing são motivados ou originados internamente, ou seja, dentro das organizações. Para que o profissional de marketing consiga enxergá-los corretamente, é importante conhecer aspectos relativos a estrutura de uma empresa e ferramentas de organização e métodos. O primeiro aprendizado consiste em compreender as teorias clássicas e científicas da Administração moderna.  Neste sentido, a contribuição de Frederick  W. Taylor (Os Princípios da Administração Científica, 1911) são vitais para o entendimento inicial de como atribuir melhores métodos para o trabalho. Os princípios de Taylor objetivam a melhoria da eficiência dos processos, resumidos nas seguintes técnicas abaixo:

    • Estudos de tempos e movimentos.
    • Padronização de ferramentas e instrumentos.
    • Padronização de movimentos.
    • Sistema de pagamento de acordo com o desempenho.

    Como podem perceber, o marketing é o estudo sistemático do mercado e de todas as variáveis que o compôem, afim de determinar estratégias que perfaçam objetivos propostos. Além disso, deve-se compreender todos os mecanismos e ferramentas internas as organizações para, em conjunto com outras áreas, diagnosticar falhas e melhorar desempenhos que impactam nas variáveis do marketing (4P`s).

    Espalhe por ai:
  • Gestão da imagem pessoal

    Uma área que tem despertado interesse e com potencial para maior desenvolvimento no Brasil é a “Gestão de Imagem Pessoal”. As funções  do “Gestor(a) de Imagem” são auxiliar outras pessoas a obterem resultados de percepção positiva no meio que atuam (reputação) e aumentar seu valor de brand vinculado a marca pessoal ou simplesmente melhorar o relacionamento intrapessoal. Como conceito, tal atividade deriva dos elementos do marketing pessoal e do estudo de branding e sua implantação pode auxiliar profissionais de áreas como: atletas, artistas, políticos, profissionais liberais e demais formadores de opinião.

    José Mourinho. Foto: divulgação

    Um bom exemplo atual é o técnico de futebol português José Mourinho. Em recente estudo do Instituto Português de Administração e Marketing – IPAM, a marca pessoal e direitos de imagem de Mourinho foi avaliada entre 8 e 12 milhões de Euros anuais (Fonte: Jornal Briefing). No campo esportivo, em nosso país, é fato o franco crescimento das oportunidades de assessoria aos atletas, no tocante aos direitos de imagens, contratos publicitários, associação da marca pessoal e outros envolvimentos. Existem empresas especializadas no gerenciamento destes interesses e tal atividade pode ser desenvolvida por psicólogo, administradores, profissionais de marketing, publicitários, relações públicas, jornalistas e outros que, conjuntamente, poderão definir adequadamente o planejamento acerca da imagem pessoal.

    Ainda, a imagem pessoal positiva que é percebida por outrem deve possuir uma aura de grande abrangência, em todos os aspectos entorno da vida do possuidor da marca. Exemplo: para um jogador de futebol que possui uma imagem idolatrada e formadora de opinião, a retidão deve estar também em sua conduta extra-campo, nas negociações e até mesmo sobre os produtos que representa. Essa conduta coerente deve ser acompanhada e cuidada caso a gestão da imagem esteja pautada na imagem de longo prazo e não apenas em retorno financeiro de curto prazo.

    Espalhe por ai:
  • Grupo EBX estreia plataforma digital

    Fonte: http://www.eikebatista.com.br/page/index.aspx

    O Grupo EBX, do empresário Eike Batista, lança sua a nova plataforma eletrônica, multimídia e aberta a todos.  O site do empresário (www.eikebatista.com.br) traz informações sobre suas realizações nas áreas socioambientais, de educação e cultura, empreendimentos e visão de futuro. A página apresenta ainda a Visão 360⁰, trajetória pessoal, conceitos de empreendedorismo e acervo digital, com palestras e entrevistas.

    Além do site pessoal, está disponível também o “Descubra a Ebx” (www.descubraebx.com.br), com conteúdo rico sobre as cinco companhias do grupo: OGX (petróleo), MPX (energia), LLX (logística), MMX (mineração) e OSX (indústria offshore).

    E ainda, o grupo lançou dia 19 p.p um canal customizado no YouTube www.youtube.com/grupoebx com diversas entrevistas de Eike Batista e vídeos sobre os empreendimentos, além de palestras ministradas por Eike a estudantes e demais realizações ocorridas desde a criação da Ebx, na década de 1980.

    Os sites vão funcionar de modo integrado ao Twitter de Eike Batista, no endereço www.twitter.com/eikebatista, que já possui mais de 226 mil seguidores. A ideia dessas iniciativas digitais é materializar esses valores numa plataforma aberta, integrada e acessível a todos. Acesse e participe dando sua opinião.

    Fonte: Agência Ideal / Editado pelo blog avemarketing.

    Espalhe por ai:
  • Gerenciamento de marca


    Ao se planejar a construção de uma marca, nos aspectos nominativos (nomenclatura da marca / nome) e figurativos (elemento(s) visuais associado(s) ao nome), há que se considerar a determinação de conceitos, identidade e imagem de marca, conforme já descritos anteriormente aqui. Além desses, o gerenciamento completo do brand requer o exercício de planning e acompanhamento de diversas dimensões, conforme mencionado por HOOLEY; SANDERS. 1996, p. 257 e reproduzidas na imagem abaixo.

    Em verdade, uma marca e suas percepções somente são alicerçadas na mente das pessoas após um tempo de exposição da mesma. A associação da marca deve estar em consonância com os atributos ou benefícios funcionais desejados através dos vários elementos que difundem a marca no mercado. Esses elementos, variados, são os produtos, serviços, relacionamento da empresa na comunidade, comunicação da empresa em diversos canais, estimulação de conceitos cognitivos e sensoriais, dentre outros.

    Leia também: Registro de marcas.

    Espalhe por ai:
  • Uma boa alternativa para o trânsito nas grandes cidades?


    Que tal um sistema de transporte urbano repleto de tubos com cápsulas que são impulsionadas por pedaladas? Esse é um dos projetos no qual o Google investe continuamente. A ideia do “monotrilho” já recebeu cerca de 1 milhão de dólares da empresa americana, que tem por objetivo reduzir emissões de gases e garantir deslocamento mais ágil do que os atuais trânsitos congestionados.

    O projeto, denomimado Shweeb, foi criado pelo Australiano Geoffrey Barnett em sua residência a partir de seu gosto pessoal por ciclismo e  por não sentir necessidade de possuir um automóvel para deslocar-se na sua cidade natal, Melbouner.

    O sistema, dependendo da angulação de construção das “pistas”, atinge velocidade de 45km/h com total segurança e isenção de emissão de gases tóxicos.

    Espalhe por ai: