• Sinalização e interação

    Alguma ações, apoiadas pelas novas tecnologias, são surpreendentes. Desenvolvida pela Nokia na Inglaterra,  esta placa (maior placa de sinalização do mundo!) oferece visibilidade da marca Nokia e  claro, sinaliza. Mas como funciona? Estando próximo da placa (50 metros) é só enviar um sms que a placa indica a direção.  Simples e fantástico, não? Assista o vídeo abaixo.

    The World’s Biggest Signpost from adghost on Vimeo.

    Encontrei no Updateordie e Nokia.

    Leia também

    :: Jornalismo levado a sério…bem, nem tão sério assim
    :: Tendência em publicidade na Europa
    :: O poder da mídia
    :: Se beber, não dirija
    :: Comunique-se bem

    Espalhe por ai:
  • Redes sociais

    As redes sociais (sua rede de relacionamento na internet) e as mídias sociais (mídias onde o conteúdo é construído pelo internauta) formam a base para a chamada web 2.0. Este princípio construtivista tem revolucionado a  comunicação entre os indivíduos através da rede mundial de computadores e ganhou maior relevância a partir de 2008.

    Abaixo segue excelente documentário sobre as redes sociais.

    Vídeo via M.E Linka

    » Aproveite e participe da enquete sobre mídias sociais aqui.

    Leia também

    :: O poder da mídia
    :: O que é o Twitter?
    :: Mídia funcional – Golf GTI bag
    :: Exemplo de uso das mídias sociais
    :: Redes sociais caem no gosto dos jovens

    Espalhe por ai:
  • O Salário

    Por Elcio Fernando.

    Muito se discute sobre a discrepância salarial osalarioavemarketing2que acomete o Brasil atualmente. Segundo dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD, a República Federativa do Brasil ocupa a oitava colocação entre os países com maior desigualdade social (PNUD, 2003). Esse índice de desigualdade social exorbitante está vinculado à distribuição e/ou concentração da renda da força produtiva. Entende-se por força produtiva a parcela da população em idade economicamente ativa, ou seja, que produz algo para o país, intelectualmente ou através do emprego da força física. E, é justamente esta característica diferenciadora das duas condições de mão de obra que determinam grandes diferenças nas recompensas natural do trabalho, ou seja, o salário, conforme Smith (1776). O trabalho é condição do ser humano para a obtenção de produtos e serviços que satisfaçam suas necessidades de sobrevivência e crescimento. É com o trabalho que o ser humano e os Estados Federativos acumulam capital para usufruto de um maior poder de barganha. Todas as relações comerciais são desenvolvidas a partir do poder de compra, ou, acúmulo de capital (riqueza ou dinheiro). Aos cidadãos imersos no regime capitalista, o poder de compra é representado pelo rendimento/recebimento e/ou salário obtido e o mesmo precisa sobreviver de seu salário. A natureza humana é dotada de princípios competitivos – de sobrevivência e perpetuação da espécie e outros, como fatores subjetivos, já citados por J.M. Keynes(1936) – e a sobrevivência competitiva também colaboram para a desigualdade entre os homens.  Mas, como determinar a variação de salários mediante a divisão de tarefas? Para Smith (1776) “… os salários do trabalho variam segundo a facilidade ou dureza, o grau de limpeza ou sujeira, o prestígio ou desprestígio da profissão”.  Ainda, conforme Smith (1776), “… os salários do trabalho variam de acordo com o grau de confiança”.  Além do exposto, a qualificação e capacidade de retorno do capital investido também são fatores decisivos na definição de valor da recompensa pelo trabalho. Importante considerar a ideia de eficiência (produtividade) e eficácia (resolver problemas) conforme Maximiano (2000), como elementos que sugerem maior ou menor remuneração de um indivíduo. Ainda, como objetos influenciadores de valores nominais existem os pisos salariais estabelecidos por legislação correlata e a capacidade financeira de uma organização.

    Ao trabalhador, como artifício para crescimento salarial, e seguindo o raciocínio exposto no parágrafo anterior, tem-se na quantidade de anos de estudo (qualificação) uma maior possibilidade de aumento de salário, conforme demonstram os dados do CPS/FGV(2007) – Quadro 1, abaixo.

    osalarioavemarketingDeste modo, contextualiza-se o salário como um conjunto de habilidades e situações que fornecem maior ou menor recompensa pelo mesmo, com verídico crescimento a partir do tempo de aprimoramento de um indivíduo, e da exclusividade, ou seja, quantidade de indivíduos que desenvolvem desempenho eficaz em atividades laborais com importância intelectual e produtiva. Assim sendo, somente um respaldo estrutural básico e educacional/técnico de qualidade a médio e longo prazo, além de crescimento econômico para garantir a diminuição da desigualdade social.

    Espalhe por ai:
  • avemarketing entrevista #6: Luli Radfahrer

    O blog avemarketing conversou com Luli Radfaher que, gentilmente nos concedeu entrevista. Luli é  Ph.D. em Comunicação Digital pela ECA-USP , onde também é docente.luli Trabalha com internet desde 1994, quando fundou a Hipermídia, uma das primeiras agências de comunicação digital do país, hoje parte do grupo Ogilvy. Saiu em 96 para fundar seu estúdio, onde atendeu AlmapBBDO, MTV, FIAT, Leo Burnett, VISA, Volkswagen e Camargo Corrêa. Em 99 foi para a StarMedia de Nova York assumir a Vice-Presidência de Conteúdo. De volta, criou a dpz.com, divisão digital da agência de propaganda DPZ. Em 2002 trabalhou em Londres, com projetos de TV Interativa e comunicação wireless. Voltou como consultor, tendo como clientes a AOL Brasil (redesenho e reestruturação do conteúdo) e o McDonald’s (projeto de conteúdo para o McInternet). Colunista da revista Webdesign, é autor dos livros “Design/web/design” e “Design/web/design:2”, considerados referência para a área, e “A Arte da Guerra Para Quem Mexeu No Queijo Do Pai Rico”, uma análise crítica e bem-humorada do ambiente corporativo.

    Com uma articulação impecável, Luli esbanja conhecimento. Confira a entrevista imperdível!

    avemarketing: Uma tradicional conceituação de informação afirma que “é tudo aquilo que destrói uma incerteza”. A internet é uma revolução comunicacional e de proliferação de informações. Hoje uma criança de 7 anos está mais exposta e possui uma quantidade de informações maior do que nós recebemos em 20 anos de vida. Luli, para onde isso tudo vai nos levar?

    Acredito que não “leve” para lugar nenhum. Na verdade, a própria idéia de destruição de incertezas é um pouco equivocada. À medida que a informação se acumula, as incertezas tendem a aumentar. Certeza é, cada vez mais, efeito de ambiente restrito, como certas comunidades ideológicas ou regimes autoritários. Voltando ao ponto da pergunta, acredito que o resultado dessa sobrecarga de informação seja mais decepcionante do que parece. Como provam a vida besta dos milionários e a epidemia de obesidade nos Estados Unidos, o aumento de recursos não costuma resultar em uma melhoria da produção. Hoje que praticamente qualquer instituição ou pessoa pode manifestar suas opiniões e contribuir com conteúdo para a rede, o que se vê não é um aumento da inteligência das pessoas, mas a enorme popularização das bobagens do YouTube, como o vídeo do menino grogue ao sair do dentista, mais vistas do que qualquer palestra do TED.

    Louis Armstrong cantava, em “What a wonderful world”, que as crianças aprenderiam mais do que ele jamais saberia. Em termos técnicos, ele estava correto. Os indivíduos hoje são melhor adaptados aos tamagotchis eletrônicos que nos cercam. Mas isso não significa que sejam mais sábio, muito pelo contrário. Acredito que o mundo daqui a 20 anos será bastante complexo em termos de interfaces, mais evoluído em um ou outro valor (sustentabilidade, alimentação, fumo) mas as pessoas continuarão a desperdiçar petabytes em pornografia, celebridades, fofocas e outras trivialidades. Não é necessariamente ruim, mas está longe de ser o paraíso que alguns imaginam.

    avemarketing: De acordo com a pesquisa ConecteMídia, realizada pelo Ibope, “53% dos entrevistados se sentem pressionados com a quantidade de informações atuais”. Evidentemente há muito lixo na internet, como reprodução dos comportamentos da sociedade. Como gerenciar o trash, na internet?

    Ansiedade de informação (e seu desdobramento, ansiedade de inovação) são típicas de uma época em que o conhecimento era mensurável, quantificável. Livros e jornais, por exemplo, dão a impressão que é possível saber “tudo” a respeito de determinado assunto – e que certos assuntos desagradáveis podem ser simplesmente evitados. Mas na verdade esses meios de comunicação são próteses, e todos sabemos que no contato com pessoas, nunca se saberá absolutamente “tudo” que o outro sabe – a idéia, aliás, não faz o menor sentido. Também aprendemos, em diálogos, a filtrar de uma conversa o que realmente queremos saber e o que vale a pena evidenciar. Os profissionais que todos têm como referência se atualizam, e sempre que se busca um novo esclarecimento o conhecimento é atualizado.

    A melhor forma de lidar com o excesso de informação e o lixo da Internet não está em tentar melhorá-la, mas em desenvolver, em si, uma espécie de filtro para saber o que perguntar, quando a pergunta é relevante e quando já é o bastante. Acima de tudo, é fundamental verificar quem emite a resposta. A Internet é só uma grande compilação de informação produzida por humanos, e portanto sujeita a todos os seus desvios.

    avemarketing: Como você vê a criatividade digital no Brasil, atualmente?

    Cada vez melhor. Há muitos novos empreendedores e criativos pensando em uma forma mais abrangente, sistêmica. Até há pouco tempo atrás, a piada, o verso musical (ou a “sacadinha” publicitária) eram um fim em si mesmo. Hoje eles têm se transformado, a cada dia mais, em produtos, com mercados e oportunidades. Isso gera, naturalmente, uma criatividade mais madura e melhor pensada, o que é uma ótima notícia. Isso não significa que deixamos de ser gozadores ou irônicos, mas o compromisso – que até personas do Twitter e posts em blogs reforçam – com uma constância na produção de idéias constantes e coerentes gera um ambiente muito mais criativo. Isso é verdade para o mundo inteiro e o Brasil, mesmo atrasado em algumas tecnologias, sem o hábito de ler e com uma enorme diferença social, pode se beneficiar por ter um espírito naturalmente social, comunitário e anárquico.

    avemarketing: A convergência midiática é uma tendência, certo? Quais outras tendências você pode citar?

    Na verdade são quatro tendências, pois depende de onde você quer a convergência. As TVs nunca foram tão grandes e com sistemas de som tão envolvente. A sala de home theater é uma caverna digital que, em cada casa, promove a convergência. Os celulares, na rua, fazem o mesmo. Os dois são convergentes, cada um de um jeito. Outras duas convergências são o computador, sem dúvida o melhor lugar para se trabalhar (ninguém pensa em escrever longos textos no celular ou no sofá da sala) e os aparelhos dedicados de trabalho móvel, como medidores de códigos de barras, boletos de garçons e GPSs em carros, ainda mais rápidos e eficientes que qualquer celular. Nessa categoria ainda cabem as câmaras semi-profissionais e profissionais.

    Outras tendências são o tracking e os alerts, com o tempo real a substituir boa parte das buscas; o crescente autismo coletivo; o desprendimento dos ambientes físicos de trabalho – o que inclui mesmo cidades ou países; a integração de diversos produtos e serviços em dashboards; Metaversos e realidade aumentada; jogos de todos os tipos – brandeados, imersivos ou comunitários, como os do Facebook (e o Project Natal, que talvez um dia saia da prateleira); a pirataria e o fim dos conceitos antigos de propriedade intelectual; novos tipos de fetiche, de Otaku à culinária, visível em Julie & Julia; um progressivo achatamento cultural, que leva a uma vida mais amigável e menos interessante; crescimento de colaboração e filantropia; acessibilidade e culto à diferença; novos tipos de hardware desenvolvidos pelo usuário (tendência que se popularizou com kits abertos como o Arduino; dinheiro virtual; aumento do storytelling transmídia; maior importância das interfaces gráficas para transmitir grandes volumes de informação; propaganda orientada a valor… são tantas as tendências que em breve alguem deverá promover um mega saldão delas.

    avemarketing: O que uma marca ou pessoa deve fazer para conseguir destaque na internet, de maneira saudável?

    Só existe uma regra que sempre dá certo: observar. Tentar compreender o ambiente em que se está e o que se tem a oferecer antes de tomar qualquer atitude. Todo o resto é bobagem, já que estamos tratando de relações que, como as humanas, variam caso a caso e não pode haver regras absolutas.

    avemarketing: Para finalizar, fale sobre seus projetos futuros e deixe algumas dicas aos nossos leitores.

    Vou pular esta. Meu blog e twitter são minhas interfaces, os comentários deles são meu melhor feedback.

    *Luli ainda nos brindou com um vídeo com uma de suas palestras, disponibilizado abaixo. Também imperdível!

    Leia também

    :: avemarketing entrevista #5 – Priscilla Aloi
    :: avemarketing entrevista #4 – Dr. Donald K. Hsu
    :: avemarketing entrevista #3 – Ester Beatriz (parte 1) (parte 2)
    :: avemarketing entrevista #2 – Michel Lent
    :: avemarketing entrevista #1 – Arnald0 Rabelo

    Espalhe por ai:
  • Entenda a crise financeira

    Fonte:Economia Uol

    Fonte gráfico: Economia Uol

    Muito foi falado sobre a crise financeira global, iniciada no mercado financeiro/imobiliário americano a partir da queda da oferta de capital e falta do mesmo para pagamento de créditos contratados.  O ápice se deu em 2009 e suas “marolas” provocaram estragos em boa parte do globo, que resultou em maior endividamento empresarial, falências e escassez de capital, acarretando queda no consumo que por sua vez gerou desemprego e de encurtamento da produção econômica e, claro, estes fatos geraram um efeito bola de neve. E o Brasil, estava ou está totalmente blindado? Claro que não! Evidente que os impactos da crise foram maiores nos epicentros, principalmente nos EUA. porém boa parte do globo sentiu impactos da crise. Nosso país enfrentou uma diminuição dos níveis de exportação e algumas intervenções do Estado em segmentos da economia e redução de impostos para manutenção do consumo. Só para citar um dado, de acordo com a agência de notícias Reuters o saldo da balança comercial terminou o ano de 2009 com o pior resultado desde 2002.

    Ainda não entendeu? Então assista o infográfico criado por Jonathan Jarvis – designer americano. Muito bacana.

    The Crisis of Credit Visualized from Jonathan Jarvis on Vimeo.

    Espalhe por ai: