• Celular com internet: você vive sem?

    Por @nielsenbr. Aproveite alguns minutos do seu horário de almoço e observe quantas pessoas você vê pela rua com o celular na mão. Cada dia é mais comum ver as pessoas usando o aparelho o tempo todo: seja para fazer ligações, enviar torpedos ou acessar a internet. O fato é que o mercado de telefonia móvel cresce aceleradamente – e a população está cada vez mais dependente dessa tecnologia.

    Prova desse crescimento acelerado está nos dados apurados pela Nielsen: no primeiro semestre de 2012, 55% das vendas de celulares eram de aparelhos que permitiam navegar pela web. Em comparação, durante todo o ano anterior, essa relação era de 49%. Porém, a maior parte desses aparelhos ainda tem tecnologia intermediária. Somente 12% das vendas totais correspondem a modelos que permitem o download de aplicativos e carregam sistemas operacionais como Android, iOS ou Windows.

    De acordo com Thiago Moreira, diretor de Telecomunicações na Nielsen Brasil, a escolha por celulares mais simples – os chamados webphones – se dá porque mais de 70% dos brasileiros têm linhas pré-pagas, portanto apenas uma pequena parcela dos clientes pode ser fidelizada pela operadora com base no subsídio do aparelho. “Em mercados como o dos Estados Unidos, onde os smartphones já representam dois terços das vendas de novos aparelhos, o consumidor leva o aparelho quase de graça”, completa.

    Do ponto de vista do diretor, o que incentiva o consumidor brasileiro a investir em um webphone ou smartphone são os planos de internet lançado pelas operadoras. “Para quem tem celular pré-pago, os planos com acesso à internet custam em torno de 15 reais, e é o baixo custo que atrai o cliente a comprar um aparelho melhor”, explica Moreira.

    Além do valor acessível dos planos para acessar a internet, a necessidade de ficar conectado a qualquer hora e lugar também impulsionou o crescimento das vendas dos celulares com acesso à web. No Brasil, 63% assumem que acessam a internet pelo aparelho móvel mais de três vezes por dia.

    Dos brasileiros usuários de smartphones, 38% assumem que usam mais de 21 aplicativos.  Entre eles, as categorias variam: de games (68%), redes sociais virtuais (67%), música (63%) e fotografia (54%).  Quanto ao acesso à internet, 81% entram nos sites das mídias sociais, 56% em portais de busca, 50% em sites de vídeo e 28% em portais de notícia.

    Voltando à nossa reflexão inicial: atualmente, é fácil ficar sem celular com internet?

    Fonte: Nielsen Brasil / Twitter: @nielsenbr

    Espalhe por ai:
  • Time-lapse em uma partida de futebol

    Mais um belo exemplo do uso da técnica de time-lapse (veja explicação aqui), desta vez produzida no jogo Itália x Polônia, da Euro2012. O vídeo mostra, em dois minutos e com o efeito citado, o movimento que antecede uma partida de futebol. Vale a pena conferir.

    Vi aqui.

    Espalhe por ai:
  • A oportunidade no smartphone

    Por @nielsenbr. Desde o boom da internet, no início dos anos 2000, muitas mudanças aconteceram na sociedade. A principal delas é que as pessoas estão mais conectadas: recebem diariamente um turbilhão de informações, vindas de diversas fontes. Esse processo gradualmente se intensifica, sobretudo mais recentemente, em virtude da conveniência de acesso proporcionada por dispositivos móveis, como tablets e smartphones.

    Atualmente, 36% da população ao redor do mundo com acesso à internet possuem um smartphone. Comparando com 2010, esse número cresceu 15 pontos percentuais, segundo a pesquisa global da Nielsen sobre comunicação em multi-telas. As facilidades oferecidas por um único aparelho geram vários novos interesses na população.

    Para dar um exemplo de novas possibilidades geradas pela tecnologia, 63% da população global adeririam à facilidade de pagar contas de lojas e restaurantes por meio do smartphone. Os mais propensos a usar esse tipo de tecnologia são os latinos, pois 17% deles afirmaram que definitivamente fariam seus pagamentos em dispositivos móveis. “Temos aqui uma oportunidade de negócio, tanto para a indústria que desenvolve a tecnologia, quanto para toda a cadeia de pagamentos”, afirma Thiago Moreira, diretor de Telecom na Nielsen Brasil.

    O desafio está lançado para a indústria: difundir esse meio de pagamento o mais rápido possível, já que a demanda está pronta para ser absorvida.

    Pretensão de compra de smartphones

    Fonte: Nielsen Brasil / Twitter: @nielsenbr

    Espalhe por ai:
  • Microsoft Surface trava em apresentação oficial do tablet

    Até parece brincadeira, mas o tablet da Microsoft travou durante apresentação oficial de Steven Sinofsky, presidente da divisão Windows. O novo produto inaugura as operações com o novo sistema operacional da empresa, Windows 8. Entretanto, tudo indica que o causador do travamento foi o Internet Explorer.

    Neste tipo de mercado, a idealização hardware + software é fundamental. O consumidor tem a imersão no produto a partir da sua utilização baseada no sistema operacional e, convenhamos, todo o desenvolvimento de produto pode ser perdido em uma interface  que apresenta erros. Não estou afirmando que é isso que vai acontecer com o Surface, mas tal falhas são imperdoáveis. Em tempo, a Microsoft, no caso dos tablets, pode ser classificada como um adotante tardio, devido a demora em aproveitar a fase do crescimento do mercado, conforme teoria do Ciclo de Vida do Produto.

    Espalhe por ai:
  • Contra o tabaco, máquina engole cigarros

    Apesar de não ter informações sobre o resultado prático, a ação de guerrilha criada pela Quitter Unite – associação canadense contra o tabaco – é bem criativa e conjuga informação e tecnologia a serviço de uma promoção de vendas com finalidade social através de uma máquina que recebe/recolhe cigarros em troca de biscoitos e canetas. A máquina “comedora” de fumo (Smoke Eater) mostra como conceitos do marketing social podem ser colocados em prática visando bem-estar da sociedade.


    Vi aqui.

    Espalhe por ai: